Experiência do Usuário: Qual a importância da usabilidade?

Experiência do Usuário

Experiência do Usuário (UX) é a percepção geral que o indivíduo tenha ao interagir com um produto, sistema ou serviço.

É uma área que engloba todos os aspectos da interação do usuário, levando em conta a usabilidade, acessibilidade, design visual, desempenho e facilidade de uso.

Uma boa experiência do usuário se caracteriza pela capacidade de satisfazer as necessidades e expectativas do público de forma eficaz e agradável. Justamente por isso, o produto deve ser intuitivo, eficiente e fácil de usar.

É assim que o indivíduo terá a sensação de fluidez e saberá controlar o recurso durante seu uso. Além disso, a experiência do usuário tem um papel muito importante no sucesso de uma solução, pois influencia a satisfação do usuário.

Também é capaz de impactar a fidelidade à marca e a probabilidade de uma pessoa recomendar os produtos e serviços para seus familiares, amigos e conhecidos.

Por essa razão, muito se fala sobre a necessidade de priorizar o design centrado no usuário e fazer avaliações constantes para identificar pontos que devem ser melhorados.

Pensando nisso, este artigo vai mostrar quais são os métodos de teste de usabilidade, como identificar problemas nesse sentido, ferramentas que podem ser usadas, como implementar boas práticas e como medir o impacto das melhorias.

Métodos de teste de usabilidade

Os métodos de teste de usabilidade são técnicas e abordagens que avaliam a eficácia, a eficiência e a satisfação do usuário ao interagir com um produto. Entre os métodos mais usados está o teste de usuário.

Trata-se de uma observação direta do comportamento dos usuários enquanto realizam tarefas específicas no produto. Podem ser conduzidos em laboratórios especializados ou até mesmo remotamente, dependendo das necessidades e recursos.

O designer que está desenvolvendo o site de uma empresa especializada em fachada de vidro temperado pode fazer o teste de protótipo, em que algumas pessoas interagem com versões preliminares da plataforma para identificar problemas de usabilidade.

Elas também fornecem algum feedback sobre o design e sua funcionalidade, e os protótipos podem variar em relação à sua complexidade, podendo ir desde o esboço de papel até simulações de alta fidelidade.

Outra opção são os questionários e entrevistas, muito úteis para coletar feedback qualitativo e quantitativo sobre experiência e percepção do produto ou sistema.

Essas técnicas podem ser usadas em conjunto com os testes de usuário e protótipo para fornecer informações mais abrangentes sobre a usabilidade e a satisfação do usuário.

Como identificar problemas de usabilidade?

O designer precisa identificar problemas de usabilidade no projeto que está desenvolvendo para que a experiência do usuário seja positiva. Para isso, é possível adotar técnicas como:

  • Teste de usabilidade;
  • Análise heurística;
  • Feedback dos usuários;
  • Monitoramento de métricas;
  • Teste de acessibilidade.

Antes de lançar o aplicativo de uma clínica veterinária especializada em internação para gatos, o designer precisa realizar testes com usuários reais para identificar possíveis problemas.

Essas pessoas são convidadas a realizar uma tarefa específica no produto e são observadas por um facilitador. Ao finalizarem a tarefa, elas fornecem um feedback e mostram quais foram as dificuldades de uso durante o teste.

Os especialistas em usabilidade também podem fazer uma avaliação sistemática da interface do usuário, de acordo com alguns princípios de design conhecidos como heurística.

Eles procuram elementos que podem causar confusão, como falta de feedback do sistema, ausência de consistência na interface ou qualquer dificuldade de navegação.

Outra opção é coletar feedback dos usuários por meio de formulários de contato, análise de comentários e pesquisas de satisfação, pois todos eles revelam problemas de usabilidade.

Ao usarem o site ou aplicativo, as pessoas podem relatar dificuldades de navegação, espaços da interface que não são intuitivos, problemas de desempenho, entre outras possibilidades.

Os designers podem analisar métricas como taxas de rejeição, tempo médio de permanência na página, taxa de conversão, entre outros indicadores que mostram um pouco mais sobre pontos problemáticos.

Por exemplo, se no site de uma confecção de uniforme profissional para manutenção a taxa de retenção for alta, significa que os usuários estão tendo facilidade para navegar.

Além dos testes de usabilidade tradicionais, também existem os testes de acessibilidade que mostram se o site ou aplicativo pode ser usado por pessoas com diferentes necessidades e habilidades.

Eles são muito úteis para mostrar problemas como falta de contraste ou falta de rótulos nos elementos interativos, que costumam afetar de maneira negativa a usabilidade dos usuários.

Principais ferramentas

Os designers podem contar com diversas ferramentas disponíveis para fazer testes de usabilidade, e cada uma apresenta suas próprias características e funcionalidades.

Uma das mais usadas são as plataformas de testes remotos que ajudam a recrutar participantes online para fazer os testes em tempo real e fornecer feedback instantâneo sobre o produto.

Para o site de um fabricante de fichário para faculdade, o designer pode optar por uma ferramenta de gravação de sessões de usuário, que captura a interação do indivíduo com o produto, incluindo rolagens, cliques e outros movimentos do mouse.

Esse recurso é muito útil para revisar e analisar o comportamento das pessoas, e com isso identificar padrões e problemas de usabilidade.

Agora, se for necessário fazer um teste de acessibilidade, existem ferramentas que verificam a conformidade do site ou aplicativo com as diretrizes de acessibilidade.

Essas plataformas identificam possíveis problemas, como falta de contraste, imagens sem descrição adequada ou estrutura inadequada do conteúdo.

Até mesmo as plataformas de prototipagem, como Adobe XD, oferecem recursos para prototipar e testar a usabilidade da interface de usuário. Elas são usadas para criar protótipos interativos, mas também para testes com usuários reais.

Como implementar boas práticas de usabilidade?

Ao criar o aplicativo de uma confecção de uniforme de segurança patrimonial, o designer precisa trabalhar com boas práticas de usabilidade para oferecer uma experiência positiva e eficiente aos usuários.

O primeiro passo é entender as necessidades, preferências e comportamentos das pessoas por meio de pesquisa qualitativa e quantitativa. Essas informações podem ser obtidas por meio de entrevistas, questionários e observações.

Em seguida, o designer vai trabalhar em um protótipo de baixa fidelidade para testar diferentes abordagens e funcionalidades, de maneira iterativa.

É interessante envolver os usuários desde as fases iniciais do projeto para validar ideias, identificar problemas de usabilidade e iterar rapidamente para que a experiência seja a mais positiva possível.

Deve-se adotar uma abordagem centrada no usuário na hora de projetar as interfaces e fluxos de interação. Em outras palavras, as necessidades e expectativas do público-alvo vêm em primeiro lugar.

Juntamente com isso, o designer deve priorizar clareza, consistência, simplicidade e eficiência ao elaborar o produto, como o site de um fabricante de escoramento de laje de ferro.

Deve-se realizar testes de usabilidade regulares com usuários reais para identificar problemas nesse sentido, além de avaliar a eficácia das soluções.

Lembrando que esses testes podem ser conduzidos em diferentes estágios do projeto, indo desde um protótipo inicial até as versões finais do produto.

Outro ponto essencial é ter canais de comunicação abertos e transparentes para coletar as opiniões e os feedbacks das pessoas depois que o produto é lançado.

Nessa fase, o designer deve se concentrar nos comentários, avaliações e métricas de desempenho para identificar pontos de melhoria e fazer os ajustes necessários.

Como medir as melhorias de usabilidade?

Existem métricas quantitativas e qualitativas que ajudam a medir o impacto das melhorias de usabilidade na experiência do usuário.

Supondo que o designer tenha feito essas melhorias para impactar pessoas que estão pesquisando sobre quanto custa conserto TV LED no app de uma autorizada, pode analisar a taxa de conversão, taxa de rejeição, entre outras métricas.

Também é muito importante analisar os indicadores de desempenho, como a velocidade de carregamento e a taxa de conclusão das tarefas.

Para as empresas, também é importante considerar as métricas de engajamento, pois assim conseguem saber quantas pessoas visualizaram as páginas de seu site, com quais elementos interagiram, a taxa de cliques, entre outros.

São informações que mostram se as melhorias de usabilidade estão incentivando as pessoas a interagir mais com o produto e a explorar suas funcionalidades.

Para o site de uma empresa especializada em escoramento pontaleteamento, também é essencial analisar as métricas qualitativas, como pesquisas de satisfação, entrevistas e feedbacks, para compreender o impacto das melhorias na experiência do usuário.

Considerações finais

A experiência do usuário tem um papel muito importante no sucesso do produto, sendo necessário priorizar aspectos como usabilidade, acessibilidade e satisfação do usuário.

São dados cruciais para melhorar a percepção da marca, aumentar a fidelidade do cliente e impulsionar o crescimento do negócio.

Adotar uma abordagem centrada no usuário e investir em práticas de design eficazes são algumas ações indispensáveis para criar produtos que estejam de acordo com as necessidades e expectativas das pessoas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Olá, eu sou a Luiza Fecker

Sou desenvolvedora e web designer, e trabalho fazendo o que amo! 🖤 Por aqui procuro repassar o meu conhecimento e deixar os conteúdos mais interessantes e úteis relacionados a designer, tecnologia sempre com muitas novidades, para você conhecer melhor esse novo mundo digital. 

Artigos Recentes